Monday, December 11, 2006

A bandeira nacional

A bandeira nacional é dividida em duas partes: verde e vermelha.
A verde significa a esperança dos portugueses no futuro.
A parte vermelha significa o sangue derramado nas guerras por todos os portugueses ao longo dos séculos.

No centro encontra-se a esfera armilar que lembra o rei D. Manuel I, da época dos descobrimentos.

O escudo das armas contém os sete castelos conquistados por D. Afonso Henriques aos mouros.
No centro, as cinco quinas simbolizam as chagas de Cristo, mostrando que Portugal é uma nação Cristã.

A Moeda

A última moeda antes do Euro foi o escudo português cujo símbolo era o cifrão ($).O escudo português tem dependências africanas. Segundo as regras o código era ISO 4217 “PTE”.
Essa moeda chamava-se “escudo”. A própria nomeação do escudo também é considerada pela figuração do escudo na própria moeda. Os escudos eram feitos em ouro baixo, 18 quilates e o seu valor era de 50 marcos.
O escudo parou de circular no início de 2002 para começar a circular uma nova moeda, o euro. Houve uma percentagem de transformação entre escudos e euros que foi estabelecida a 1998-12-31. O valor de um euro era semelhante a 200,482 escudos.

O hino nacional


O hino nacional de Portugal não era o mesmo á uns anos atrás, mas hoje em dia é “A Portuguesa”. No tempo da monarquia o hino nacional era conhecido como o “Hino da Carta”, também existiu um outro hino “O Hino Patriótico”.
O nosso hino nacional actual foi oficializado depois da Implantação da República (5 de Outubro de 1910) em 1911.
O hino nacional (música) foi escrito por Alfredo Keil e a letra por Henrique Lopes de Mendonça.

A implantação da república

A implantação da república foi iniciada no dia 5 de Outubro de 1910, devido a incapacidade do rei D. Manuel.
O seu reino até aos seus dias, tinha estado sob o domínio monarca.
A melhor das opiniões não era, de certeza, a do povo; que achava que a monarquia não devia reinar com um rei para toda a vida.
No regime da monarquia o filho mais velho sucedia ao trono e quando esse morria sucedia-lhe o filho mais velho.
Com a implantação da republica o governo já não tinha rei, mas sim um presidente, (que tinha sido eleito a votos).


Agora todos queriam um governo republicano; (como tinha acontecido nos outros países da Europa.
O primeiro presidente de Portugal foi Teófilo Braga, mas foi apenas presidente do “governo provisório” até às eleições onde D. Manuel de Arriaga tinha sido Presidente de Portugal. Esse dia foi considerado feriado nacional.

A crise e a queda da monarquia

Nos finais do século XI existia uma grande crise económica, política e social muito preocupante.
Em 1180 comemorou-se o tricentenário da morte de Luís de Camiões e os adeptos das ideias republicanas aproveitaram essa data para a publicação das suas ideias e provocar um alvoroço popular.
No tempo da monarquia, o país estava em crise, o povo estava descontente com os preços dos produtos comerciais e em geral com as fracas condições de vida.
As principais fábricas do país situavam-se no Porto e em Lisboa, onde trabalhavam operários, de modo a que o resto da população trabalhava no campo com difíceis condições de vida.
Portugal estava a atravessar uma fase difícil e com muitas dívidas. Por isso teve que pedir dinheiro emprestado ao estrangeiro. Para pagar os juros, o rei aumentou os impostos.





Como o rei não diminuiu os impostos, os ingleses estavam com o com o comércio muito avançado e produzido. Enquanto que Portugal estava numa crise económica, e o Ultimato Inglês em 1890 veio piorar a situação de Portugal. Esse Ultimato exigia que o governo português tirasse os seus exércitos das suas terras conquistadas; se essa ordem não fosse executada o governo inglês declararia guerra a Portugal, era o ultimatum.


A família real vinha de uma viagem de Vila Viçosa.
No dia 1 de Fevereiro de 1908,o rei D. Carlos e o seu filho D. Luís Filipe foram assassinados no Terreiro de Paço. Os autores do crime foram Costa e Buiça. O sucessor do trono seria D. Manuel que tinha ficado sozinho nas mãos do seu governo embora fosse muito inexperiente.
Era o regicídio.